21 de agosto de 2017
Home | Ponto de Vista | 30 vezes culpada

30 vezes culpada

silencio vitimas
Imagem: Buzzfeed.

30 (TRINTA) homens estupram uma menina. Isso “menina”, tinha 16 anos, era menor de idade!

Uma garota foi drogada e estuprada por mais de 30 (TRINTA) homens.
Eles  filmaram a moça nua, mostrando seus genitais sangrando, fizeram piadas com o estado deplorável que deixaram seu corpo. Fizeram piada com o número de homens que a estupraram, que a violaram, que a tocaram enquanto a mesma não estava consciente.
Tiraram “selfies” junto ao corpo ferido dela. MAIS DE 30 HOMENS. Em 30 não se salvou 1. Nem um! Unzinho!  Foi dormir na casa do namorado na sexta feira, e acordou no domingo, com 33 monstros sobre seu corpo! Um deles, seu namorado!

Mulher tem medo de homem sim. E não por achar que todos são estupradores, mas por saber que as vezes em 30, não se salva 1.

Cultura do estupro, misoginia e femicidio

No Brasil acontecem aproximadamente 130 estupros POR DIA! Muito provavelmente, enquanto você lê esse texto uma mulher está sendo estuprada. Uma em cinco mulheres será vitima de abuso sexual em algum momento da vida.  No ano de 2012, ocorreram 4.719 mortes de mulheres por meios violentos no Brasil, sendo que 68,8% ocorrem dentro de casa, praticados pelos cônjuges.

Tudo normal! E essa normalização chama-se Cultura do Estupro.

A violência contra a mulher é normalizada dentro da nossa sociedade. E essas atitudes violentas são amplamente incentivadas quando toleramos e normalizamos esse tipo de conduta. Entre os exemplos de comportamentos associados à cultura do estupro estão a culpabilização da vítima, a sexualização da mulher como objeto e a banalização da violência contra a mulher.

Mas a cultura do estupro não existe, não existe também misoginia, nem femicídio. Tudo isso é fruto da imaginação fértil de garotas desocupadas, que não tem uma boa louça pra lavar.

A cultura do estupro é essa estrutura que culpa a mulher por qualquer constrangimento sexual que venha a passar. É a banalização do constrangimento de uma mulher que recebe uma cantada na rua; É achar justo uma mulher ser estuprada por estar bêbada ou usando roupas curtas; É tratar com naturalidade  uma mulher ser forçada a fazer sexo com o companheiro, afinal de contas, ele é seu marido ou namorado; É quando uma mulher ser vista apenas como objeto para satisfazer as vontades alheias passa a ser aceito socialmente; Ou quando uma mulher lésbica é intimidada por homens heterossexuais, porque na verdade ela tem que aprender a gostar de homem.

A cultura do estupro precisa ser combatida!

“Não sou livre enquanto outra mulher for prisioneira mesmo que as correntes dela sejam diferentes das minhas.”  Audre Lorde

Sobre Bárbara Andrade Barioni

Bárbara Andrade Barioni
Arquiteta e Urbanista tentando terminar um mestrado, vegetariana, mãe de gatos, viciada em comprar livros e mochileira nas horas vagas. Sente que sua missão é questionar.

Check Also

Você não está louca

Se você é mulher, provavelmente já ouviu coisas como: – Você é tão sensível! – ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *