21 de janeiro de 2018
Home | Pelo Mundo | América do Sul | Bolívia – Um diamante bruto – Copacabana.
Ilha do Sol - Mesa de cerimônia.

Bolívia – Um diamante bruto – Copacabana.

IMG_1355Copacabana foi nosso último destino na Bolívia. Uma viagem bem tranquila saindo de La Paz, cerca de duas horas e meia já estávamos chegando.
Lá foi o melhor hotel que ficamos hospedado, bem confortável e com uma bela vista para o lago Titicaca.

Após organizar tudo fomos à procura de um lugar para almoçar, aquele dia foi o melhor para comer na Bolívia, achamos um excelente restaurante e matei uma bela macarronada com molho Rockford, isso foi muito legal. Na Bolívia, independente do tipo de alimentação que você escolha, ou até mesmo para quem tem restrições alimentares há opções em todas as cidades.

Depois fomos ver como funcionava para fechar os passeios até a Ilha do Sol e Ilhas Flutuantes, fechamos para o dia seguinte pois os passeios saem todos pela manhã. Com isso fomos conhecer a famosa Igreja de Nossa Senhora de Copacabana, era um dia festivo e estava tudo bem cheio e colorido, uma igreja que impressionava muito. Todo seu altar era banhado a ouro, seguranças e policiais para todos os lados impediam que tirássemos fotos. Dentro da igreja tinha um Museu, com histórias da Igreja e outras catedrais espalhadas pelo mundo inteiro. Vale a pena conhecer.

Para curtir a noite em Copacabana, tem uma rua com diversas opções de bares, com cardápio e cervejas variadas, achamos um bem bacana e ficamos por lá, o frio em Copacabana á noite é bem rigoroso, então não deixe de ter uma blusa por perto.

No dia seguinte, chegamos cedo e seguimos para Ilha do Sol em um barco, os espertos resolveram ficar na parte superior do barco, sem proteção, resumindo. Choveu, e o frio incomodava bastante!
O trajeto dura em média duas horas, o barco é bem lento e o percurso também é distante, no Titicaca você tem a impressão de estar em alto mar, é realmente imenso aquele lago, navegamos durante horas sem ver um sinal de terra firme.

Porém ao checar na ilha, o nome não mente, um belo sol esperava para fazermos a trilha rumo as ruínas da civilização pré-colombiana, vá com roupa e tênis bem confortável, embora seja uma trilha tranquila, andamos bastante. Logo quando chega à ilha, vários guias estão a disposição para fechar pacote de monitores, uma média de 20,00bs por pessoa, porém preferimos não pagar e acabamos seguindo um pessoal para nos orientar melhor. O que você perde não contratando um guia são as explicações, mas se a grana já estiver curta acredito que seja uma economia válida.

A ilha é considerada sagrada para os Incas onde se encontravam os santuários das “vírgenes del sol”, dedicado ao Deus Sol. Saímos da parte Norte e fomos até a parte Sul, com duração em média de 3 horas. No final da trilha chegamos até a parte considerada sagrada da ilha e onde haviam algumas ruínas. Foi desta região que saíram as primeiras civilizações para Machu Picchu.

A Ilha do Sol é um destino quase obrigatório caso passe por Copacabana, um lugar incrível, com paisagens incríveis e histórias fantásticas, não deixe de ir.

Na volta o pessoal ainda foi para  a Ilha Flutuante (que na verdade é um réplica “pra inglês ver” das originais Ilhas Flutuantes de Urus no lado peruano do lago), eu já não estava muito bem e acabei passando o restante do dia deitado.

No final do dia fomos para a rua dos bares e ficamos por lá, no dia seguinte começava a viagem de volta até Santa Cruz de La Sierra, o final da viagem já chegava perto, mas os grandes perrengues estavam por vir, Conto no próximo post.

Sobre Ricardo Queiroz

Ricardo Queiroz
Criador do portal Amplifique-se e apaixonado por comunicação e todos os poderes de transformação que a internet possui, formado em publicidade, amante do frio e cerveja. Desde 2006 trabalho como webdesigner, mas nos últimos anos fui conhecer o mercado offline, isso me ajudou a ter uma visão 360 em todo o processo criativo do meu trabalho. Fujo da rotina e da zona de conforto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *