25 de novembro de 2017
Home | Cêviu | Legal Hack – O hackathon que pretende reduzir a morosidade do sistema judiciário brasileiro

Legal Hack – O hackathon que pretende reduzir a morosidade do sistema judiciário brasileiro

Comece sua lawtech com R$ 8.000,00 + um mês no Coworking Spaces

O setor judiciário tem passado por constantes mudança, com o surgimento das law techs diversas organizações que rodeiam esse segmento vem se aproximando e criando iniciativas de fomento à inovação e empreendedorismo. A AASP – Associação dos Advogados de São Paulo – olhando para esse novo universo que está se formando, criou o Legal Hack AASP, o hackathon da associação que tem objetivo reduzir a morosidade do sistema com auxílio da jurimetria.

O Legal Hack AASP, acontece nos dias 25 e 26 de novembro na sede da própria AASP, no centro de São Paulo, as inscrições estão abertas e não há custo para participar. Todos dos profissionais são bem vindos: comunicação, marketing, negócios, etc., afinal para um time de hackathon é muito importante a  multidisciplinaridade.

Aparentemente o desafio é complexo porém com potencial de impacto gigantesco. Durante o evento, um novo overview do desafio será passado para os participantes, bem como apresentação do conceito de jurimetria. Portanto se você gosta de desafios com poder de impacto, o Legal Hack é a oportunidade de contribuir para o setor judiciário.

Para realizar inscrição e consultar o regulamento completo, acesse o link a seguir: http://bit.ly/legal-hackaasp. Ou acompanhe o perfil do Legal Hack no facebook para mais informações: https://www.facebook.com/LegalHackAASP/. Vale lembrar que as inscrições são limitadas e já está em fase final, disponíveis até o 15/11, portanto garanta sua inscrição o quanto antes.

A AASP, irá premiar o time campeão com o valor de R$ 8.000,00 + um mês no coworking Spaces. O segundo colocado será premiado com o valor de  R$ 4.000,00 + uma semana no no coworking Spaces. Já o terceiro lugar fica com um prêmio de  R$ 2.000,00 + uma semana no no coworking Spaces.

Foto: Divulgação AASP

Como parte do Legal Hack, a AASP, que há décadas cumpre sua missão de oferecer conhecimento e ferramentas para aperfeiçoar a prática da advocacia no Brasil, não ficou de fora desta, e reuniu grandes profissionais em sua sede no último dia 7/11 para compartilharem seu conhecimento com os presentes e apresentarem cases que exemplificam como novas tendências podem contribuir significativamente para o meio jurídico.

O summit AASP – Fomentando inovação no setor jurídico, contou com a presença de  Pedro Vilela, Fundador do Instituto de Referência em Internet e Sociedade (Iris), abriu o o primeiro painel apresentando o conceito dos smart contracts, suas possibilidades e desafios dentro da tecnologia do Blockchain ao público.

Anne Chang, sócia fundadora de HCO Law, propôs uma reflexão a respeito do uso contínuo de processos que limitam a capacidade de compreensão de um determinado setor da sociedade, por exemplo, os prontuários médicos, que por falta de dados aprofundados prejudicam diagnósticos mais precisos.

Advogada e membro do Comitê Blockchain da Associação Brasileira de Law Techs e Legal Techs (AB2L), Amanda Lima alertou para que os novos empreendedores destas plataformas tenham em mente que os futuros usuários poderão se basear na Teoria do Risco prevista no CDC e no Código Civil brasileiro e defende até mesmo um estudo para uma regulamentação específica.

Julio Trecenti, diretor técnico da Associação Brasileira de Jurimetria (ABJ), encerrou o ciclo de debates trazendo para os participantes um tema que por vezes parece distante de alguns, mas que ao mesmo tempo interliga tomadas de decisões fundamentais para o país.

Método de estudo quantitativo do Direito baseado em dados e estatísticas que circundam as normas jurídicas, a jurimetria avalia constantemente os significados dos conceitos de ato ilícito, dano, agente, nexo, culpa e dolo.

Durante o Summit, foi apresentando o case da MOL – Mediação On-line – foi a primeira plataforma do país a realizar práticas de mediação pela web. Buscando trazer eficiência para o mercado jurídico e prevenindo disputas que tornam o Judiciário abarrotado, a MOL realiza atendimentos para pessoas físicas, empresas e corporate estimulando o diálogo entre as duas partes e auxiliando-as na construção de um acordo amigável.

Sobre Ricardo Queiroz

Ricardo Queiroz
Criador do portal Amplifique-se e apaixonado por comunicação e todos os poderes de transformação que a internet possui, formado em publicidade, amante do frio e cerveja. Desde 2006 trabalho como webdesigner, mas nos últimos anos fui conhecer o mercado offline, isso me ajudou a ter uma visão 360 em todo o processo criativo do meu trabalho. Fujo da rotina e da zona de conforto.

Check Also

E lá vem mais uma edição do Psicodália 2018, confira atrações já confirmadas

Foto: Nicolas Salazar O período mais festeiro do Brasil vai demorar um pouco para chegar. Porém ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *