21 de agosto de 2017
Home | CRIATIVOS | Comunicação | Minorias: representar só por representar pode não ser legal.

Minorias: representar só por representar pode não ser legal.

Fala, galera.

Estamos vivendo uma fase da sociedade onde tudo é questionado e na publicidade não seria diferente. Ultimamente tem sido comum vermos campanhas de pequenas, médias e grandes marcas que geram um buzz enorme na internet, devido um detalhe aqui e outro acolá, que algum dos envolvidos no projeto poderia ter questionado, pesquisado e talvez mudado. Essas pequenas atitudes se tomadas teriam evitado algumas discussões ou diálogos interessantes e produtivos.

Recentemente tivemos algumas campanhas que foram responsáveis por grande parte do conteúdo falado na internet, são elas: uma foto nas redes sociais da revista Vogue sobre as paraolimpíadas e uma campanha da C&A “Entre nessa mistura” que tinha uma modelo plus size representando a classe. O que ambas tem em comum? As minorias. Isso não é bom? É, ótimo! Por que deu tanto problema? As minorias que foram temas nessas campanhas não se sentiram representadas e isso é um baita problema, porque soa como oportunista, passando a imagem de que as marcas não se importam realmente com esse público.

Na teoria isso pode ser o fim da marca para essa minoria, mas na prática não é bem assim, há quem defenda que o buzz mesmo que negativo possa ser benéfico para uma minoria porque visibilidade e a chance de falar é o que elas querem, e a mensagem chegando pode ser trabalhada se tornando algo positivo. Usando o exemplo das paraolimpíadas, a venda de ingressos para os jogos estava baixa nas primeiras semanas e com poucas campanhas de incentivo, com o boom da capa da revista essas campanhas ganharam muito mais força e as vendas cresceram repentinamente. Coincidência ou não isso fez os consumidores tomarem uma atitude, e cá entre nós, ajudar na prática é muito mais interessante do que simplesmente escrever textão na internet.

Existem algumas marcas como a Avon, que sabem abordar as minorias de forma bem natural e benéfica para todos e que podem servir de exemplo.

É bom lembrar que a conversa é a melhor forma de esclarecermos nossas dúvidas, perdermos hábitos ofensivos e consequentemente nos desconstruirmos. Então, bora falar galera, o espaço tá aberto.

Campanha da C&A

cea-sougorda-sousexy

Campanha da Vogue

vouge

Campanha da Avon

 elke-avon

Sobre Gustavo Luiz

Gustavo Luiz
Formado em PP e Marketing, levo a vida com um sorriso no rosto, e acredito que comunicação e alguns amigos podem fazer total diferença em qualquer projeto.

Check Also

Consumidor pagaria 15% a mais por marcas que tenham propósito.

Durante o Festival Path, último final de semana (14 e 15 de maio), Ana Couto, ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *