21 de janeiro de 2018
Home | NOVIDADES | Empreendedorismo | Quatro gerações, e um time no The Big Hackathon!

Quatro gerações, e um time no The Big Hackathon!

geracoes

Enfim o ano começou, e antes de sair atrás de coisas bacanas que tem acontecido no mundo da tecnologia e empreendedorismo, gostaria de compartilhar uma experiência. Recentemente tive a oportunidade de participar do The Big Hackathon, que aconteceu durante a Campus Party 2017. E o mais legal, foi a equipe da qual fui membro. Éramos 4 pessoas, sendo duas da geração baby boomer, um da geração X e eu o caçula, o único millennial.

E essa parceria na verdade não nasceu ali. Tudo começa quando duas profissionais experientes e bem sucedidas, próximas do momento da aposentaria, quando teoricamente iriam aproveitar a vida com mais qualidade, viajar, se divertir, curtir os netos, frequentar os grupos da terceira idade e almoçar no SESC, resolvem aposentar tudo isso, “virar a chave”,  recomeçar! E no mercado de startup.

Encurtando a história, foi mais o menos nesse cenário que Veronique Forat, 59 anos  e Marta Monteiro, 62 anos,  resolveram recomeçar no mercado de startup, dinâmico e bem diferente do que possivelmente estavam acostumadas. Mas cá entre nós, nem da para perceber, super techs e antenadas nas tendências mundiais e nas necessidades do mundo contemporâneo as duas empreendedoras criaram a Morar.com. vc, uma startup especializada em matchmaking entre pessoas que querem morar de forma compartilhada. A empresa opera em fase beta e você já pode se inscrever aqui caso tenha interesse em saber ou morar de forma compartilhada.

Veronique e Marta realmente são mulheres avançadas, com uma vontade de alavancar a empresa recém criada, durante o ano de 2016 participaram de “N”eventos, e no pitch battle e na primeira edição do ProtoHack Brasil ficaram em segundo lugar, deixando muito nerd super tech para trás. Mostrando que para empreender no mercado de startup não precisa ser “novinho” e muito menos um gênio da programação. E eu ainda acho que elas saem na vantagem, afinal a experiência é MUITO importante, e isso elas tem de sobra.

E foi durante os meetups do ProtoHack que conheci as empreendedoras, com um gás que muito jovem não tem para criar um negócio disruptivo e muito promissor. Não é a toa que ficaram em segundo lugar. O evento passou, elas continuaram tocando seu negócio e eu os meus. E no virar do ano, recebo o convite para me juntar a equipe que iria participar do The Big Hackathon, dentro da Campus Party. Eu, meio louco que sou, no meio de uma mudança profissional onde deixava a estabilidade do trabalho e iria de fato tocar os negócios que eu acreditava, aceitei o convite na hora. Não pensei duas vezes, o projeto era ótimo, e a equipe incrível, nessa hora a equipe já contavam com Robson, o DEV do grupo.

Fomos para o evento, trabalhamos muito para melhorar o projeto, tivemos mentorias incríveis, fizemos ótimos contatos. E vale uma ressalva para quem acha que só tem gente querendo furar o olho do outro. Como a energia no evento era boa, uma vontade de ajudar da parte de todos, sem nenhum interesse em troca, simplesmente para ver os projetos ganharem corpo e alavancar rumo ao sucesso. Mal deu tempo de aproveitar tudo que a Campus Party tinha para oferecer.

Legenda: Veronique Forat, Marta Monteiro, Ricardo Queiroz e Robson Camanducci
Legenda: Veronique Forat, Marta Monteiro, Ricardo Queiroz e Robson Camanducci

Continuando no hackthon, não fomos para final, mas tudo certo, era tanto projeto bom, com impacto social gigantesco que ficamos felizes pela galera que ganhou, para nós o maior prêmio foi a sinergia que criamos dentro na nossa equipe, a vontade de fazer essa empresa crescer e se tornar um negócio lucrativo era o desejo de todos, não só por conta do dinheiro mas por acreditar no projeto, no seu potencial e no impacto que ele pode promover para sociedade. Mas também, o que nos moveu foi a vontade e energia das “vêias” que passaram cinco dias sob um barulho gigantesco, ouvindo a música do gás, gritando “OOOOOOOO” a cada 20 minutos, passando por mentoria, comendo um monta de besteira e com um gás do começo ao fim. Isso realmente é motivador.

E sabe o lance de geração que eu comentei lá em cima, para nós não fez a menor diferença, nosso match foi preciso e cirúrgico, trabalhamos em uma sinergia incrível, onde não teve espaço para ego, arrogância e qualquer outra característica negativa que existe em qualquer geração.

Sobre Ricardo Queiroz

Ricardo Queiroz
Criador do portal Amplifique-se e apaixonado por comunicação e todos os poderes de transformação que a internet possui, formado em publicidade, amante do frio e cerveja. Desde 2006 trabalho como webdesigner, mas nos últimos anos fui conhecer o mercado offline, isso me ajudou a ter uma visão 360 em todo o processo criativo do meu trabalho. Fujo da rotina e da zona de conforto.

Check Also

Marketplace é ou não é um bom negócio?

Durante o Fórum E-commerce Brasil muito se falou sobre Marketplace, tanto que no primeiro dia, ...

2 comments

  1. Muito boa essa matéria, Ricardo..!A-do-rei..!!
    Nosso parceiro escolhido a dedo, com muita honra
    agora vc faz parte da equipe da Morar com Você
    http://www.morar.com.vc

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *