21 de janeiro de 2018
Home | CULTURA POP | Literatura | #TAG: 15 autores favoritos

#TAG: 15 autores favoritos

Vi esta tag em alguns canais do YouTube de Literatura e achei interessante escrever…

IMG_0233O nosso arcabouço de escritores, estilos e obras modelam nosso pensamento. O estilo que nos agrada fala muito sobre nós, mas não precisa ser uma coisa engessada. São tantos jeitos de fazer arte escrita que formas muito diferentes de deitar uma história no papel acabam por conversar conosco em momentos diferentes da vida.

Assim, segue a minha lista dos meus 15 autores favoritos.

  1. José Saramago. Ou como escreveu uma amiga minha, Saramor. Saramago foi um autor português extremamente prolífico em seus últimos anos de vida. Além de obras de realismo fantástico, escrevia para fazer com que pensássemos sobre o mundo no qual vivemos. E, muito frequentemente, terminamos suas obras com um soco no estômago e um sentimento de estarmos perdidos. Ainda, sua escrita sem paragrafação definida, permite um envolvimento sem igual em suas histórias. Um must-read da língua portuguesa (aliás, nosso único Prêmio Nobel). Minha obra favorita: Ensaio sobre a cegueira, 1995.
  2. Virginia Woolf. Escritora inglesa, colocou no papel seus pensamentos e observações sobre a sociedade no começo do século passado. Mostrou ao mundo como as mulheres são capazes de escrever sobre mulheres e muito de como pensamos o mundo. Parte de sua obra, ainda, retrata sua depressão e descontento com a vida, deixando também um “quê” de inquietude ao leitor. Minha obra favorita: A room of one’s own (Um teto todo seu), 1929.
  3. Sylvia Plath. Poeta norte-americana, escreveu apenas uma prosa em sua carreira. Ela inclusive rendeu já um vídeo para o nosso canal de Literatura. Para conhecer mais sobre ela e seu trabalho, veja o vídeo completo aquiMinha obra favorita: The bell jar (A redoma de vidro), 1963.
  4. Mia Couto. Uma preciosidade da língua portuguesa. Tanto por seus contos, quanto pelos seus romances, Mia Couto empresta à língua sutilezas que fazem com que a poesia brote de cada página escrita. Embora um de seus temas centrais sejam os conflitos pelos quais Moçambique passou e passa, ou seja, ele é um autor que não quer deixar a História de seu país passar em branco, tradições nativas também são exploradas com beleza sem igual. Minha obra favorita: O gato e o escuro, 2001.
  5. George Orwell.  Sua obra prima, 1984, parece ser uma predição muito acurada do nosso mundo hoje em dia. Um escritor que traz para sua obra o seu entendimento sobre guerras e governos, nos faz pensar muito sobre como lidar com o nosso mundo feito para que sejamos meras massas de manobra. Minha obra favorita: 1984, 1948.
  6. Nelson Rodrigues. Papagaio! A escrita rodriguiana é bastante conhecida e já foi bastante explorada em outros meios, como o teatro e a televisão. Nelson Rodrigues deveria conhecer muita gente interessante, porque em seus contos, quando parece que as coisas não podem piorar… bem, é uma exploração intensa da alma humana. Minha obra favorita: A vida como ela é, 1992.
  7. Ray Bradbury. Mais um distópico que, se tivesse conhecido a internet não teria culpado a televisão. No entanto, me impressiona como os escritores da primeira metade do século passado pareciam ter um faro imenso para compreender como poderíamos ficar presos pela tecnologia e como a Arte pode se tornar uma ameaça imensa pelo seu poder de sensibilizar. Minha obra favorita: Fahrenheit 451, 1953.
  8. Truman Capote. Um notável da literatura norte-americana do séc. XX. Além de um olhar fino sobre a sociedade americana, um crítico e um buscador do que significa viver. Minha obra favorita: In cold blood (A sangue frio), 1968. 
  9. Gabriel Garcia Marquez. Com uma prosa cativante e um pensamento extraordinário, Marquez nos leva por uma America Latina, Colômbia, que não passamos nem perto aqui no Brasil. Por meio de seus escritos, conhecemos um pouco mais sobre os conflitos de um país que já passou por diversas questões e foi colonizado, como o Brasil, e que ainda é um nobre desconhecido para nós, brasileiros. Minha obra favorita: Memoria de mis putas tristes, 2004.
  10. Ligia Fagundes Telles. Nossa dama das Letras dispensa apresentações… Mas, se quiser saber mais ou ser apresentado, fiz um vídeo para nosso canal de Literatura sobre ela e sua obra – veja o vídeo aquiMinha obra favorita: Venha ver o pôr-do-sol e outros contos, 1987.
  11. Ana Maria Machado. Além de prolífica escritora, Ana Maria foi presidente da Academia Brasileira de Letras e trabalhou boa parte de sua carreira para fomentar a disseminação da leitura. Autora de adultos e de livros infantis, escreveu mais de 40 obras, além de fazer traduções consagradas e ser ganhadora de prêmios nacionais e internacionais. O meu livro favorito dela falava de questões de gênero e cor há tempos antes de ser uma questão com representatividade. Minha obra favorita: Menina bonita do laço de fita, 1948.
  12. Stephen King. Rei do suspense e do qual se lê um livro sem vontade de soltar. Stephen King pode não escrever necessariamente prosas artísticas, mas uma coisa é certa: ele entende de fazer tramas e personagens malucos. Minha obra favorita: The shining (O iluminado), 1977.
  13. Neil Gaiman. Talvez, hoje em dia, ninguém escreva fantasia como Gaiman. Pode ser que tudo tenha começado com quadrinhos, mas quem disse que HQ não é arte? A questão é que a prosa desse inglês nos coloca em sonhos, entre Deuses e em puro estado de magia. Quem não conhece o Sandman ou Coraline (na minha opinião, terror para crianças). Dedos leves, prosa profunda. Pode ter se tornado cultura pop, mas isso não tira de longe o mérito de sua escrita. Minha obra favorita: American Gods (Deuses Americanos), 2001.
  14. F. Scott Fitzgerald. Década de 1920, sociedade americana passando por um período de bonança e a escrita de Fitzgerald nos contando que as coisas não são bem como parecem. Ou são? Suas histórias da Jazz Age nos mostram como a era de ouro não era inocente como queriam ser… Minha obra favorita: The Great Gatsby (O grande Gatsby), 1925.
  15. Harper Lee. (suspiro). Autora de uma obra em prosa, que acabou se desdobrando recentemente. Lida até hoje. Desafiada até hoje. Desafiadora até hoje. Fiz um vídeo para o canal de Literatura falando sobre ela, os seus livros e sua escrita inspiradora. Infelizmente, ela nos deixou este ano, mas sua obra e sua história permanecem. Confira o vídeo aqui.

E você, amigo leitor? Quais são seus autores favoritos? Quem são aqueles que não estão nesta lista curta e injusta? Conta para a gente nos comentários!

Tathy

Sobre Tathy Morselli

Tathy Morselli
Tathy é professora, escritora e tradutora. Estudou Pedagogia e fez pós-graduação em Estudos Literários. Tem uma biblioteca razoável, um Kindle debaixo do braço e sempre uma câmera na mão. Acredita que desassossegar as pessoas leva a visões e pensamentos mais profundos sobre o mundo que nos cerca.

Check Also

Bienal Internacional do Livro de São Paulo 2016

Fomos passear na Bienal do Livro de São Paulo. Foi um domingo ótimo, com surpresas ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *